antf.org.br

Você está aqui: Home Notícias Por dentro da VLI, empresa de logística criada pela Vale

Por dentro da VLI, empresa de logística criada pela Vale

Logística unificada

logistica-unificada
São Paulo - A VLI foi criada em 2010 para reunir, em uma só companhia, todos os ativos de carga geral da Vale. Basicamente, seu objetivo é integrar as ferrovias, terminais e portos pelos quais a empresa de logística transporta carregamentos de outras companhias.

Em 2014, parte da VLI foi vendida. Seu capital agora está distribuído entre a Vale (37,6%), a Brookfield (26,5%), a Mitsui (20%) e o FI-FGTS (15,9%). Ela tem clientes de diversos setores e movimenta grãos, açúcar, fertilizantes, produtos siderúrgicos e industrializados.

A produção de minério da Vale, porém, não é escoada pela VLI, mas por um sistema interno.

A empresa atua em 9 estados e no Distrito Federal por meio de cinco corredores logísticos que interligam as regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste do país.

A companhia engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, onde produtos são carregados e descarregados, e terminais nos portos de Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES).

Só no ano passado, a VLI faturou 3,7 bilhões de reais e movimentou 48,8 milhões de toneladas de carga em ferrovias e 27,4 milhões de toneladas em portos.

Nas fotos, conheça um pouco mais sobre empresa e veja imagens da oficina em que ela coloca seus trens no trilho.

 

55.000 metros quadrados

55000-metros-quadrados
Para manter seus trens funcionando perfeitamente, a VLI possui 12 oficinas de manutenção pelo país. A maior delas fica em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas Gerais.

A unidade tem 55.000 metros quadrados, o equivalente a seis campos de futebol, e é a maior do tipo em toda a América Latina. Os trens que são reparados por lá transportam cargas como grãos, fertilizantes, produtos siderúrgicos e industrializados.

 

Base antiga

base-antiga

A base da oficina é antiga, existe desde 1916. Ela integra um conjunto de ativos que pertenceram à Rede Mineira de Viação (RMV) e, posteriormente, à Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA).

Em 1996, a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), hoje controlada pela VLI, obteve a concessão da Malha Centro-Leste da RFFSA, que englobava a estrutura. Desde então, a empresa realizou diversas obras de ampliação no local.

 

Patrimônio preservado

patrimonio-preservado

Apesar das muitas reformas necessárias para readequar o espaço aos equipamentos modernos, alguns prédios da estrutura antiga foram preservados pela VLI. O que aparece na foto, por exemplo, foi transformado em um auditório.

 

Reparos preventivos e corretivos

reparos-preventivos-e-corretivos

Por mês, cerca de 160 manutenções são feitas em locomotivas, desde preventivas a corretivas. Por precaução, os trens passam por três tipos de reparos: inspeção, revisão intermediária e geral.

As inspeções ocorrem a cada 45 dias e duram 8 horas. Nelas, são verificados os níveis de óleo, água e areia e trocados os filtros dos motores.

 

15 locomotivas ao mesmo tempo

15-locomotivas-ao-mesmo-tempo

As revisões intermediárias ocorrem uma vez por ano e duram cerca de cinco dias. Nelas, alguns componentes das máquinas são substituídos de acordo com a recomendação dos fabricantes.

Juntos, os dois galpões destinados para esses reparos leves têm capacidade para receber 15 locomotivas simultaneamente.

 

Substituição de rodas

substituicao-de-rodas

As revisões gerais também consistem na troca obrigatória de peças e ocorrem a cada dois anos. Porém, por serem mais complexas e envolverem reparos pesados, elas levam em média 20 dias.

Já as manutenções corretivas acontecem quando algum problema é identificado em uma máquina. Nelas, podem ser substituídos, por exemplo, os rodeiros – conjunto de rodas – das locomotivas (foto), ou os motores de tração.

 

 270 reparos por mês

270-reparos-por-mes

Nos vagões, a quantidade de reparos necessários é ainda maior que nas locomotivas. Eles passam por cerca de 270 intervenções por mês.

 

Sistema inspecionado

sistema-inspecionado

Três tipos de manutenções preventivas são feitas nos carros. A cada dois ou três anos todo o sistema é inspecionado. A cada seis anos os componentes do sistema de freio e rolamento são substituídos. E, a cada 12 anos, os conjuntos de tração dos vagões são trocados.

 

Outras máquinas

outras-maquinas
Além das locomotivas e vagões, outras máquinas utilizadas pela VLI passam por manutenção na oficina de Divinópolis. Entre eles estão equipamentos de bordo e de controle de tráfego.

Na foto, é possível ver uma esmerilhadora de trilhos, ferramenta que regulariza a superfície da linha férrea por meio da remoção de metal, ou seja, de polimento.

 

7.200 quilômetros de ferrovia

7200-quilometros-de-ferrovia
A VLI ainda possui oficinas em cidades como Uberaba, Montes Claros e Lavras, todas em Minas, mas classifica a unidade de Divinópolis como seu principal polo de manutenção.

Segundo a empresa, a estrutura tem capacidade e expertise técnica para atender qualquer trem que circule nos 7.200 quilômetros de linha férrea da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), linha férrea controlada pela empresa.

 

800 profissionais ferroviários

800-profissionais-ferroviarios
A oficina de Divinópolis emprega cerca de 800 pessoas. São mecânicos, eletricistas, soldadores e engenheiros que atuam em três turnos, durante 24 horas por dia, sete dias por semana. Eles são chamados de ferroviários.

 

Treinamentos especializados

treinamentos-especializados
A atividade ferroviária é bastante específica e encontrar mão de obra especializada no mercado é um desafio. Por isso, a VLI investe bastante na formação da sua força de trabalho.

A empresa faz parcerias com instituições técnicas para formar profissionais operacionais e criou um plano de capacitação interna para desenvolver os funcionários que já atuaram no setor.

 

Equipamento de ponta

equipamento-de-ponta
Para ministrar treinamentos a empregados que atuam nas ferrovias, nos terminais e nos portos, a companhia criou o Centro de Especialização e Desenvolvimento (CED). Ele fica junto da oficina, em Divinópolis e existe desde 2011.

Só em 2014, esse núcleo de formação ofereceu cursos a 1.300 funcionais. Os equipamentos utilizados são de alta tecnologia, incluindo simuladores de tráfego ferroviário (foto).

 

190 quilos de alimentos por dia

190-quilos-de-alimentos-por-dia
O refeitório da oficina da VLI serve, em média, 190 quilos de alimentos variados aos funcionários. O almoço é servido das 10h30 às 13h e o jantar entre 21h e 23h.

 

Análises químicas

analises-quimicas
No laboratório químico, que também fica junto da oficina, são analisadas diariamente cerca de 100 amostras de óleo dos motores e dos compressores e também da água do sistema de refrigeração das locomotivas.

Esses estudos avaliam diferentes fatores como a viscosidade, o percentual de água, a basicidade do óleo, o nível de pureza, a presença de metais e a diluição do óleo, o que ajuda a prevenir problemas no funcionamento das máquinas.

 

"Braços Abertos"

bracos-abertos

Por meio de um programa chamado "Braços Abertos", a VLI recebe visitas da comunidade na oficina de Divinópolis.

Elas geralmente ocorrem aos fins de semana, quando as atividades da unidade são reduzidas. Neste ano, mais de 1.000 pessoas já conheceram a estrutura.

 

Guiados pela sirene

guiados-pela-sirene

Durante muitos anos, a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA, hoje controlada pela VLI) usou uma sirene para orientar os funcionários sobre os turnos de trabalho. Ela era tocada às 6h30, 6h45, 6h55, 7h, 10h55, 11h, 12h15, 12h30, 16h55 e 17h. Com o passar dos anos e os avanços tecnológicos, a empresa decidiu que o aparelho não era mais necessário e decidiu parar de usá-lo em 2000.

Já acostumados a se guiarem pelo som da sirene, os moradores de locais próximos à oficina se mobilizaram pedindo a volta do aparelho, segundo conta a VLI.

 

Trens carregados

trens-carregados
Como dito anteriormente, além de oficinas, a VLI possui diversos terminas de carga e descarga pelo país.

Na foto, é possível ver um trem da VLI carregado de soja partir do Terminal Integrador Araguari, que fica no Triângulo Mineiro, em direção ao Porto de Tubarão, em Vitória (ES).

 

Operações controladas

operacoes-controladas
Em Belo Horizonte (MG), a VLI possui um centro de controle de operações da VLI, onde é monitorado o tráfego dos 8.000 quilômetros de malha ferroviária administrados pela empresa.

 

Agora conheça o laboratório de criação da inventora do AutoCAD

laboratorio-de-criacao-da-inventora-do-autocad
Por dentro da Autodesk

 

Fotos: Gustavo Andrade/VLI

Fonte: Exame.com

Clique aqui e leia a matéria original

 

 

 

 

 

 

 
confederacao
first
  
last
 
 
start
stop

facebooktwitteryoutube